Tenório e os Sonhos de Judô acompanha o maior judoca paralímpico da história numa jornada pelo Japão

Um novo capítulo da trajetória de Antônio Tenório da Silva, o mais vitorioso judoca paralímpico de todos os tempos, está previsto para chegar às telas ainda em julho deste ano, em canal/plataforma que será anunciado brevemente. Pouco mais de dez anos depois de lançar o seu longa-metragem de estreia, o premiado “B1 – Tenório em Pequim” (2010), Eduardo Hunter Moura foca novamente as lentes no personagem. No documentário “Tenório e os Sonhos de Judô”, o diretor acompanha o atleta e a seleção paralímpica ao Japão – berço da centenária arte marcial – em uma jornada de 25 dias de treino, incluindo uma rara sessão de treinamentos com a tradicional seleção paralímpica do país oriental, como parte da preparação para os jogos de Tóquio.

Sinopse

A viagem do carismático Antônio Tenório ao Japão começa como uma investigação sobre a incrível longevidade do campeão cego – seis vezes medalhista paralímpico – e se torna uma jornada íntima de descobertas para ele e a jovem Seleção Paralímpica Brasileira de Judô.

Em sua jornada, eles serão desafiados pelo impressionante Time Japonês. Unidos pelas deficiências em comum, brasileiros e japoneses aprendem a não ser definidos pelas suas limitações físicas e juntos celebram um senso de pertencimento.

Sobre o diretor

Eduardo é sócio-diretor da Hunter Filmes. Mestrado em Cinema com Distinção pela prestigiada The London Film School. Sua estréia como diretor para cinema foi o premiado documentário “B1 – Tenório em Pequim” (2010) que foi selecionado para diversos festivais pelo mundo, entre eles o HotDocs. Realizou o ESPN filme “Hei de Torcer”, ganhou o prêmio de melhor filme educacional com o curta “This Film is About”, dirigiu a série “O que faz um Campeão?” para o canal SPORTV, e ganhou prêmio de Social Impact Video Award com o filme “Rio Eu Amo Eu Cuido”.

Em 2016 assumiu a direção geral da série documental “SONHADORES” para o SPORTV, e dirigiu o filme de abertura da Cerimônia dos Jogos Paralímpicos no Rio. De 2017 pra cá Eduardo dirigiu a série documental “Ensaios Contemporâneos” para o Canal Curta, estreou na ficção como diretor na série “Baile de Máscaras”, e vem dirigindo as campanhas de conteúdo de marca para Itaú, Verde Campo, Google Economics, e Guaraná Antártica. Em 2018 foi até o Japão para a realização do documentário “Tenório e os Sonhos de Judô”, reencontrando o amigo e campeão Tenório para mais um filme que tem estreia prevista para 2021.

Em 2020 lançou o curta-metragem “Dance Film”, vencedor de melhor Videodanza no CDMX International Film Festival. Em 2021 já produziu e dirigiu dois vídeos de médio formato: o documentário “Samba da Gávea” e “Farra dos Brinquedos”, uma aventura musical para crianças – tanto para público quanto para aclamação da crítica.

Sobre Antônio Tenório

Aos 13 anos, Tenório brincava com amigos quando seu olho esquerdo foi atingido por uma semente de mamona, o que causou um descolamento de retina e o deixou cego deste olho. Seis anos mais tarde, uma infecção no olho direito o deixou totalmente sem visão. Tenório já praticava judô desde os 8 anos de idade, então precisou fazer a adaptação para o judô paralímpico.

Suas principais conquistas são o ouro nos Jogos Paralímpicos Atlanta 1996, Sydney 2000, Atenas 2004 e Pequim 2008, prata nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, bronze nos Jogos Paralímpicos 2012, ouro nos Jogos Parapan-Americanos do Rio 2007, prata nos Jogos Parapan-Americanos de Guadalajara 2011 e bronze nos Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019 e Toronto 2015, ouro no Campeonato das Américas 2017 (São Paulo), 2018 (Canadá) e 2020 (Canadá); bronze na Copa do Mundo IBSA 2018 (Cazaquistão).

Sobre a Hunter filmes

A Hunter Filmes é uma produtora de filmes e conteúdo audiovisual que faz principalmente projetos documentais, e presta serviços de direção através de seu sócio Eduardo Hunter Moura – diretor do longa metragem “B1 – Tenório em Pequim”, exibido na mostra paralela do Festival do Rio 2009, no Hot Docs 2010, em cinemas pelo Brasil em 2010, e ganhador de melhor filme, direção e público no BRAFFT 2010.

Como prestadora de serviços de direção, a Hunter Filmes assinou a direção de filmes documentais para a ESPN, a Cruz Vermelha Internacional, o movimento social Rio Eu Amo Eu Cuido, além de clipes musicais e filmes para empresas como Nike, Petrobrás, IBM, Itaú, Coca Cola, entre diversos outros. Também assinou a direção da série de ficção “Baile de Máscaras”.

Como produtora, a Hunter Filmes co-produziu a série documental/institucional para o SporTV “O que faz um Campeão?” e recebeu o prêmio de melhor curta educativo com “Esse filme é sobre merda”.

Em 2015 a Hunter ganhou o edital de Desenvolvimento da Riofilme para o documentário  “Maria e João”, atualmente em fase de produção. Em 2020 lançou o curta “Filme de Dança” vencedor de melhor Videodanza no CDMX International Film Festival. Em 2021 A Hunter Filmes assina a direção do documentário “Samba da Gávea” e “Farra dos Brinquedos”, uma aventura musical para crianças – tanto para público quanto para aclamação da crítica; além da produção e direção do documentário de longa-metragem “Tenório e os Sonhos de Judô” que estreará em breve.

Trailer

Ficha técnica

Direção e roteiro

Eduardo Hunter Moura

Roteiro

Eduardo Hunter Moura
e Tainá Diniz

Produção executiva

Mariana Bentes

Direção de Fotografia

Alexandre Ramos

Montagem

Tainá Diniz, Moema Pombo 
e Rodrigo Ambar

Som Direto e Binaural

Davi Paes

Direção de arte

Emílio Rangel

Trilha sonora Original

Ricardo Dias Gomes e Jnas Sá

INFORMAÇÕES À IMPRENSA

Eduardo Marques

Atletas

Fotos

contato

DIRETOR E PRODUTOS

EDUARDO HUNTER MOURA

Produtora executiva

Mariana Bentes

Comercial

Sergio Percope

(11) 98488-9999

© 2021 Desenvolvido por clicksoft

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support

Antônio Tenório é o guia cego e experiente de uma seleção jovem e inspiradora. O premiado judoca paralímpico encontra-se em uma nova fase da vida. Com a carreira já consolidada e com seu nome gravado na história do esporte, seu objetivo agora é dar continuidade a sua coleção de medalhas e mais que isso, levar seu time junto com ele.

Quem treina ao seu lado sabe que está treinando com uma lenda do esporte. Ainda assim, é de maneira modesta que ele se relaciona com a seleção, trocando experiências, incentivando e sempre lembrando que no esporte nada está ganho. No caminho suave do judô Tenório vai construindo sua jornada inspirando os jovens atletas que sonham ansiosamente com a primeira ou segunda Paralímpiada.

A ansiedade da jovem seleção se contrapõe à paciência de Tenório. Com o tempo, ele aprendeu a ouvir as limitações do corpo, sabendo quando parar para seguir mais adiante depois. Aprendeu quando deixar as estratégias do grupo para seguir a sua própria. E principalmente, aprendeu a respeitar o oponente. Na troca de forças do Judô, reconhecer e agradecer o adversário é regra básica. Quando um não quer, dois não brigam. É preciso convidar e conduzir o adversário para dança.

Em Tenório e Os Sonhos de Judô, Tenório visita o berço do judô para seguir seu eterno processo de aprendizado. É nessa constante pesquisa que ele ajuda a construir a história do Judô, se renovando e se refazendo com o esporte. Mais do que uma história de superação, a história de Tenório se constrói como uma história de renovação constante, de como se manter inspirado pela vida, de como se relacionar bem com o outro, de como respeitar as diferenças.

Arthur Silva comeu muito feijão com arroz para chegar onde chegou – é bicampeão pan americano, medalha de bronze nos mundiais de 2019 e treina ao lado do campeão Antônio Tenório, compartilhando o sonho de uma medalha nos Jogos de Tóquio.

Arthur está na categoria B1 (cego total). Ele se orgulha de ser um dos mais competitivos da seleção – além de ser o tradutor não oficial nas viagens internacionais. Sua luta, ele conta, não termina quando ele sai do tatame ou da competição: “O atleta cego é atleta o dia inteiro.”

Assim como outros colegas, treinou junto com a esposa para não perder o ritmo durante o isolamento social e é com sangue nos olhos que segue rumo às Paralimpíadas.

Luan Pimentel é um sul-mato-grossense de apenas 21 anos, extremamente dedicado e detalhista. Luan está classificado como B3 (baixa visão; sem definição de imagens) e já conquistou a medalha de ouro do 2020 IBSA Judo American Championship, considerado o Parapan-Americano da modalidade para atletas com deficiência visual. 

Para chegar até o tatame onde começou a treinar em Campo Grande, Luan enfrentava uma hora e meia de ônibus saindo de Camapuã, cidade onde nasceu. “Desde o primeiro dia que eu fiz uma aula eu falei: me sinto muito bem aqui.” 

Com o adiamento das Paralímpiadas, Luan tem desenvolvido técnicas e conceitos que mesclam Judô e Jiu-Jitsu e compartilhado seus aprendizados com colegas de treino.

 

Do menino excluído no colégio à revelação da Seleção Brasileira em 2019. Thiego Marques aprendia a lidar com sua deficiência visual quando encontrou o judô, aos 12 anos. Depois disso sua vida mudou e ele fez amigos no esporte.
De lá pra cá já conquistou medalha de Ouro no ParaPan-Americano de Jovens em 2017 e prata em um campeonato no Canadá em 2018.

Competindo escondido da família ela ganhou o título brasileiro pela primeira vez. Começou no judô aos 15 anos e desde então sentia que alguma coisa diferente acontecia quando ela pisava no tatame. Tentou outros projetos, mas acabou vestindo o kimono novamente. “Foi como voltar para casa”.

Essa é Lúcia Teixeira, hoje com 39 anos, judoca da seleção paralímpica na categoria B3 (vê com alguma definição de imagem) e medalhista de prata nos Jogos do Rio 2016. Lúcia nasceu com toxoplasmose e sempre conviveu com baixa visão, mas foi no caminho suave do judô que encontrou forças para viver seus sonhos.

Hoje ela se destaca na seleção brasileira e não precisa mais esconder sua paixão. Encontrou outras paixões para somar: se tornou mãe. Desde então tem sido mais difícil se distanciar da família para competir. Para os Jogos de Pequim chegou a ficar cinco meses longe da filha, mas durante o isolamento social tem encontrado uma chance de passar mais tempo perto da família.

Para se preparar para os Jogos de Tóquio em meio a uma pandemia, Núbea adaptou sua casa: arrastou o sofá e improvisou um tatame no meio da sala. Para praticar os golpes, nem sempre o espaço do apartamento dá conta e é preciso treinar no corredor do prédio. Os vizinhos observam curiosos, mas todos parecem entender:

Núbea precisa se preparar para o próximo grande desafio da sua vida – a sua primeira paralimpíada.
Núbea já foi nadadora profissional, mãe e agora judoca paralímpica. Em 2014 nasceu seu filho Nicolas e em 2015 Núbea começava uma trajetória totalmente nova no esporte. Agora ela luta por ela e pelo seu filho. “Na vida, a gente precisa saber se reinventar”.

Entrou na faixa branca, mas hoje, seis anos depois, Maria Núbea é a 20ª colocada do ranking mundial até 52 kg na categoria B2 (enxerga percepção de vultos) – e está dando
tudo de si para conquistar sua primeira medalha Paralímpica no judô.

Rebeca Silva é a influencer do time. Uma das mais novas do grupo, ela é figura ativa nas redes sociais, e com um discurso firme e consciente cria um conteúdo que inspira atletas e aspirantes. Com muito bom humor, compartilhou nas redes sociais sua história em uma série de vídeos com relatos emocionantes e engraçados ao lado de sua família. 

Com apenas 20 anos, foi medalha de ouro na Copa do Mundo de Judô em 2018 no Cazaquistão, e prata nos Jogos Mundiais e no Parapan de 2019. Classificada como B3 (baixa visão; sem definição de imagens), Rebeca nasceu com uma doença degenerativa hereditária que afeta a retina. 

Iniciou no arremesso de peso, onde teve bastante destaque, mas não era feliz até que um professor sugeriu que a mesma buscasse aulas de judô. Foi amor à primeira vista e é esse amor que a mantém firme no caminho de conquistar o maior sonho de sua carreira: representar o Brasil em uma Paralimpíada.

Metade carioca e metade paraibano, Wilians Araújo coloca medo ‘’até em quem enxerga’’. Perdeu a visão em um acidente com uma espingarda quando tinha dez anos. Naquela época, foi ele que consolou o pai: ”não vou me lamentar pelo que eu perdi. Eu vou ser feliz com o que restou.” 

Passou pelo futebol e pela natação, mas foi pelo judô que ele se apaixonou. Ainda na infância começou ganhando campeonatos e conquistando o ouro nas paralimpíadas escolares. Hoje, medalhista paralímpico na categoria de peso 100+, Wilians coleciona títulos internacionais e é um dos maiores atletas do mundo – ficando em primeiro lugar no ranking mundial em 2017. No meio de tanta competição ainda sobra tempo para compartilhar o que aprendeu: Wilians desenvolve um trabalho de base treinando crianças deficientes visuais no Instituto Benjamin Constant.